Fascínio Egípcio

Título: Fascínio Egípcio
Autora: Luciane Vieira Z
Editora: MODO
Páginas: 352
Edição: 1
Lançamento: 2013
Sinopse: No cenário do Antigo Egito, as vidas do príncipe herdeiro e da filha do sacerdote do deus Amon se cruzam, seus pais disputam poder na cidade mais importante do Egito. Ele criado para governar o país, ela retirada pela mãe de uma vida de conforto e luxo é criada escondida em uma vida de muitas dificuldades. A vida de Zeq é marcada pela crença popular que ele é filho de um deus e a vida de Naia é marcada pela descrença desde que a mãe mentiu ao dizer que seu pai estava morto, mas sua mãe na eminência da morte faz uma revelação, seu pai está vivo e lhe entrega uma prova disso. Preocupada com o estado da mãe e sem recursos ela comete um ato desesperado e furta alguns alimentos, na fuga é presa por um guarda do Faraó e levada ao calabouço. O que o futuro Faraó do Egito não imaginava é que ficaria fascinado pela beleza e personalidade da jovem. Naia tem o curso de sua vida drasticamente alterado, pois não sabe se odeia ou ama Zeq e terá que decidir se vive esse amor conturbado e assume a responsabilidade de se tornar a Princesa do Egito!

Resenha

Naia é uma garota pobre e simples que vive com a mãe, Satati, num vilarejo, e para ela, o pai está morto há muito tempo. Procurando comida e tentando arranjar algo para alimentar a mãe doente que tinha poucos dias de vida, Naia acaba roubando algumas frutas numa barraca, e, azar ou não, é presa por dois guardas reais, Armais e Enoc. Acontece que, pouco disso, Naia havia descoberto que seu pai ainda estava vivo, e que sua mãe o tinha abandonado quando Naia era criança. Mas agora que a mulher está morrendo aos poucos, tem medo de que a filha fique sozinha, então a faz prometer que procurará o pai assim que ela se for.

Presa, Naia insiste que é filha de um homem importante para o Egito, e a prova de que estava falando a verdade a leva para os aposentos militares de Zeq, o príncipe. Encantado com tamanha beleza e teimosia da moça, Zeq decide que fará o que for preciso para tê-la como sua esposa, mesmo que isso signifique unir-se a um sacerdote como Hatatef. Ele então mexe alguns pauzinhos e faz com que Naia se case com ele, tornando-se a princesa do Egito. Mas será que era o certo a se fazer? Naia tinha mesmo nascido para ser uma princesa? E será que eles deveriam mesmo ficar juntos, com tantas coisas e pessoas que eram opostas ao relacionamento?

... Mas quando percebeu na viagem que ela não gostava dele, sentiu medo que se apaixonasse por outro homem e tomou a decisão de arrebata-la para si. Não importava quem teria de enfrentar ou sobre quem teria de pisar, ela seria sua. – página 68

Primeiro: Esse final foi cruel! Segundo: ESSE FINAL FOI CRUEL! Ok, voltando um pouco...
Achei o início bem bacana, a autora soube introduzir os personagens na história e desde então nos deixou bem claro a importância de cada um deles, não somente de Zeq e Naia, os protagonistas. Tanto Enoc quanto Armais têm grande influência no livro todo, e eu gostei bastante dessa parte. Tive pena de Naia quando a mãe dela morreu, e também em algumas outras partes do livro, como quando ela e Zeq se desentendiam e ele a ignorava, e Meu Deus, como isso acontecia. Parecia um ciclo sem fim! Porém não achei Naia uma personagem forte e corajosa, suas decisões eram irresponsáveis e irracionais, sem contar que ela parecia um imã de problemas e insistia em arrumar confusão (e também desmaiava a todo momento!!!).
Zeq também não conseguiu me conquistar, e olha que eu tentei, juro que tentei. Somente no final eu criei empatia com ele, e ainda assim não gostava de sua pose de machão, por mais que ela fosse bem comum na época em que a história se passava.
Demorei bastante tempo para finalizar a leitura, algumas partes eram muuito cansativas, e achei engraçado que as cenas mais tensas e emocionantes não duravam nem duas páginas, enquanto as mais maçantes e cansativas tinham quase um capítulo inteiro. Dava para enxugar Fascínio Egipcio sem deixar muita coisa para trás, e tenho certeza de que fazendo isso ele se tornaria mais interessante. Outra coisa que me incomodou MUITO foram os erros. Meu Deus, encontrei MUITOS erros, e fico me perguntando se o livro foi mesmo revisado. Juro que quase marquei a lápis as palavras e acentos errados e enviei o livro de volta para a autora.

Pensou na deusa Isis e questionou a ela porque não conseguia tirar Naia dos seus pensamentos. – página 163

Já disse lá em cima, mas vou repetir para enfatizar minha revolta: esse final foi cruel. Quase, quase joguei o livro no chão de tanta raiva, sem brincadeiras. Como assim? COMO ASSIM, LUCIANE? Isso não é coisa que se faça! Fiquei que nem boba esperando uma reviravolta, estava com tantas esperanças, e elas foram esmagadas com tanto sucesso! Pensei até que alguém tinha arrancado as páginas finais do livro, não é possível. COMO ASSIM, LUCIANE? Ok, nem sempre as coisas acontecem quando a gente quer, mas é tão melhor quando elas acontecem do jeitinho que a gente imagina...haha’

Enfim, é um livro bom, porém não um dos melhores que já li. Cheguei a quase abandoná-lo algumas vezes, nas cenas mais chatinhas ou quando Naia ou Zeq me tiravam do sério com suas atitudes infantis, mas olhando como um todo, vale a pena ser lido. Infelizmente não consegui dar uma nota mais alta para ele, vários fatores (mencionei a maioria na resenha), mas deixo claro que é um livro bom, e se vocês procurarem mais resenhas sobre Fascínio Egípcio na internet, verão que bastante gente gostou. Vai pelo gosto, né?! Bom, é isso aí, e Luciana, eu ainda estou MUITO REVOLTADA!!!


12 comentários

  1. Oe Dryh!

    Ao contrário de você, abandonei Fascínio Egípcio, bem no comecinho mesmo porque não fui fisgada.
    Meu grande problema foi a personalidade da Naia, não conseguia gostar dela de jeito nenhum x-x
    Mas tô sabendo que o segundo livro vai lançar esse ano, então... Sua espera não vai ser tanta pra saber o que acontece HAUEAHUEHAE

    Besos!
    ~nathália n.
    www.livroterapias.com

    ResponderExcluir
  2. Oie!!!
    primeiro só por se tratar de Egito já ganhou pontos comigo ahahah não conhecia o livro mas, tenho certeza que irei gostar da história :) anotada a indicação.

    ResponderExcluir
  3. Oi Dryh, tudo bem?

    Gosto de finais que me façam ter essa reação HAHAHA. Finais que eu não imagino, que não espero. Claro que às vezes dá raiva, mas faz parte da experiência. Pior seria encontrar aquele final sem graça, né? Rs.
    Não conhecia o livro, mas curti a capa. Uma pena a história ser cansativa assim e cheia de erros de revisão. Acredito que a grande responsável por esses erros seja a própria Modo Editora. Lamentável.

    Beijo,
    João Victor - Amigo do Livro
    http://amigodolivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Este é um tema de livro que não me interessa muito e este veio com dois dos defeitos dos grandes para mim: é meio parado e cheio de erros na revisão.
    É tão legal quando um final de livro te dá raiva! (é chato a raiva, mas pelo menos produziu algum sentimento na leitura!).

    Beijão
    Blog: Dei um Jeito

    ResponderExcluir
  5. Já conhecia o livro e a autora, mas nunca tive o prazer de ler a obra. Acho o enredo fascinante e na Bienal, se eu for, este ano, compro meu exemplar. Você explanou bem o que não apreciou na obra.
    http://www.poesianaalma.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  7. Oi Dryh!
    Mesmo com a classificação de apenas duas estrelinhas eu ainda fiquei curiosa sobre essa história. Vou colocar na minha lista e espero não me arrepender rsrsrs.
    Um super bjo pra vc! Ah... adorei a resenha. <3
    http://nosleitoras.com/

    ResponderExcluir
  8. Oii, tudo bem?
    Eu já tinha visto esse livro antes, porém nunca tinha parado para ler uma resenha. A premissa me agradou muito, porém ao ver que a leitura foi devagar minhas expectativas diminuirão rsrs, mas eu estou doida para saber o final, então vou colocar o livro na minha listinha de desejados.

    ResponderExcluir
  9. Olá Dry
    Eu li esse livro através de um book tour ano passado e gostei muito da história, agora os erros, não são culpa da autora, pois a Modo Editora, sempre tem péssimas revisões, um livro ou outro que não tem problema.
    Igual a você, também não me conformei com o final, fiquei procurando mais páginas também. hehehehe
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Oi, Dryh! Tudo bem? Eu sei da existência desse livro, mas confesso que nunca bateu aquela vontade de lê-lo, sabe?! A temática é interessante e a ambientação mais ainda (Egito é um bom lugar para se escrever uma história, tem muito material bacana e ainda quero aprender muito mais sobre o país), mas a imaturidade dos personagens pode ser um baita problema para mim. Não estou na fase de fazer essas leituras, talvez depois, mas não agora. E já fiquei chateada com esse lance da revisão, um erro e outro até dá para relevar, mas uma grande quantidade de erros grotescos não tem como passar despercebida né. Triste saber que a maioria dos livros nacionais acabam recebendo esse tipo de tratamento :/ Bjj
    Jéssica - http://lereincrivel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Olá,
    Esse livro parece ser bem bacana, a capa é linda e a sinopse é bem interessante, é uma leitura que parece ser bacana.
    Beijos.
    Memórias de Leitura - memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir

Oiê! Muito obrigada por passar por aqui, deixe um recadinho com o link do seu blog e a gente dá uma passadinha lá mais tarde :)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...