A menina que brincava com fogo

Título: A menina que brincava com fogo
Autor: Stieg Larsson
Editora: Companhia das Letras
Páginas: 611
Edição: 4
Lançamento: 2014
Sinopse: A própria Lisbeth parece uma garota frágil, mas é uma mulher determinada, ardilosa, perita tanto nas artimanhas da ciberpirataria quanto nas táticas do pugilismo, que sabe atacar com precisão quando se vê acuada. Mikael Blomkvist pode parecer apenas um jornalista em busca de um furo, mas no fundo é um investigador obstinado em desenterrar os crimes obscuros da sociedade sueca, sejam os cometidos por repórteres sensacionalistas, sejam os praticados por magistrados corruptos ou ainda aqueles perpetrados por lobos em pele de cordeiro. Um destes, o tutor de Lisbeth, foi morto a tiros. Na mesma noite, contudo, dois cordeiros também foram assassinados: um jornalista e uma criminologista que estavam prestes a denunciar uma rede de tráfico de mulheres. A arma usada nos crimes - um Colt 45 Magnum - não só foi a mesma como nela foram encontradas as impressões digitais de Lisbeth. Procurada por triplo homicídio, a moça desaparece. Mikael sabe que ela apenas está esperando o momento certo para provar que não é culpada e fazer justiça a seu modo. Mas ele também sabe que precisa encontrá-la o mais rapidamente possível, pois mesmo uma jovem tão talentosa pode deparar-se com inimigos muito mais formidáveis - e que, se a polícia ou os bandidos a acharem primeiro, o resultado pode ser funesto, para ambos os lados. 
Resenha

Inocentes não existem. Em compensação, existem diferentes níveis de responsabilidade. – página 389

A menina que brincava com fogo já começa de forma tensa. Uma adolescente está presa numa maca, onde ficou por várias semanas, e onde ficaria até seu aniversário de treze anos. É um início tenso que já consegue deixar o leitor ansioso por mais e preso à história.

Algumas páginas depois, voltamos às histórias de Lisbeth Salander e Mikael Blomkvist, protagonistas da série. Após o caso Wennerström, com o qual faturou bilhões de coroas, Lisbeth decidiu dar uma pausa em sua vida investigativa e passou a viajar pelo mundo, sumindo de repente e cortando relações com as pessoas que conhecia, e especialmente com Mikael, que a magoou no finalzinho do primeiro livro.
 Lisbeth Salander não queria ser nem identificada nem lembrada. – página 23

Já ele continuava trabalhando na Millennium, que agora já havia voltado ao palanque e faturava milhares de coroas com as vendas dos livros do caso Wennerström, escrito pelo próprio Mikael. A Millennium recebe a proposta de publicar um livro que denuncia o tráfico de mulheres e menciona dezenas de nomes conhecidos no país ligados à corrupção e diversos outros crimes, mas quando estão prestes a publicar o livro, o autor da obra, Dag Svensson, e sua esposa são mortos a tiro no apartamento onde moravam, acabando com as chances de publicar a obra.

O principal suspeito do assassinato era Lisbeth Salander, mas Mikael, você e eu sabemos que ela não havia feito aquilo. A julgar pela Lisbeth que conhecemos no primeiro livro, é impossível até mesmo pensar que ela havia levantado uma arma para Dag e Mia, mesmo com provas que diziam o contrário. Lisbeth é uma pessoa esperta, ela não deixaria para trás (se fosse o caso, se ela tivesse cometido os crimes) a arma do crime com suas digitais nela, e muito menos seria óbvia.

Lisbeth Salander era a mulher que odiava os homens que não gostavam de mulheres. – página 560

Se eu já gostava de Lisbeth em Os homens que não amavam as mulheres, agora posso dizer que me apaixonei completamente por ela. Seu jeito de ser ainda é um pouco gélido, mas a inteligência e esperteza dessa mulher são nível hard. Nada passa batido por ela.
Nesse segundo livro não acompanhamos somente sua fuga da polícia e investigação própria para livrar sua barra, mas também seu passado, o qual eu nem fazia ideia de que seria da forma que é. Fiquei surpresa, e, ao mesmo tempo, impressionada. Lisbeth consegue se manter sã (ou quase) após tanta m-rda, e isso é simplesmente impressionante!

Quando lhe propunham um enigma, ela o resolvia. – página 30

Ainda não gosto de Mikael. Na verdade, acho que não gosto de nenhum personagem nessa série toda com exceção de Lisbeth, que é uma joia rara. Tirando o fato de que Mikael acredita que Lisbeth seja inocente, e sua força de vontade em provar a inocência da moça, nada mais me agrada nesse personagem. Ele é um péssimo pai (quase me esqueci que ele tinha uma filha, já que ela nem mesmo é mencionada nesse livro), péssimo herói (ele só consegue chegar às conclusões certas por conta de Lisbeth, então pega uma carona), e péssimo o que quer que for. Resumindo: não gosto de Mikael.

A menina que brincava com fogo é um livro ainda mais intrigante que o primeiro, mas também um bocado cansativo. A escrita do autor é muito descritiva, e ele também nos dá algumas aulas de história em meio à narrativa. O final me pegou desprevenida, não esperava receber um baque desses, e fico me perguntando o que vai acontecer no terceiro livro, o qual eu já desejo intensamente. Estou doida para ter mais de Lisbeth em minha vida, e mais doida ainda para ver o que ela vai aprontar daqui para a frente.

Era assim que as coisas tinham acontecido. O que até então parecera puro acaso assumia de repente outra dimensão. – página 489

 



38 comentários

  1. Olá, Dry.
    Essa trilogia é um crescente, principalmente em relação a Lisbeth. A cada livro ela vem melhor que o anterior. Quando acho que ela não vai me surpreender, ela consegue mostrar que é acima da média. É uma das minhas personagens favoritas de todos os tempos. Eu gosto do Michael também, mas se comparar a Lisbeth ele é sem graça e parece fazer figuração hehe.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lisbeth é a personagem que mais me surpreende, a partir do final do segundo livro, parei de tentar adivinhar coisas sobre ela, pois nunca é o que eu imaginei *-*

      Excluir
  2. Olá, Dryh, tudo bem?
    A premissa da resenha estava promissora, até chegar na resenha, deu para sentir a confusão do enredo que leu e acredito que seja por causa da narrativa do autor. Eu, particularmente, não suporto narrativa muito descritiva é para brochar qualquer leitura.
    concorda?
    bju's Ju
    Visite: Nossa Estante Nacional

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. a narrativa é mesmo bem cansativa, mas, ao decorrer das páginas, cheguei a me acostumar *-*

      Excluir
  3. Stieg Larsson é um daqueles autores que fritam nosso cérebro, lendo ou vendo o filme baseado nesse livro, você vai descobrir que foi sugado até a ultima gota e terminar com aquela cara de PQP, isso foi Fod%$ demais... kkkkk... Sou louca no box dessa série, pois já vi os filmes e sou simplesmente apaixonada, adoro essa sensação que dá quando acaba... essa exaustão mental e tal.

    Raíssa Nantes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. pois é...haha' quem consegue descobrir o mistério antes de o autor o revelar é realmente um gênio *-*

      Excluir
  4. Gente, peguei essa trilogia nas mãos ano passado na facul para ler e devolvi :s Estava sem tempo! Adoro personagens hiper inteligentes, dessas que a gente não engana rsrs Geralmente descrição demais me cansa rsrs Vamos ver se vou gostar! Adorei a resenha, achei muito bem estruturada!
    Beijos
    -Mari

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. haha' espero que você goste dos livros, Mari, e que não se canse da narrativa :)

      Excluir
  5. Oiie, não li nenhum livros dessa triologia, mas acho que nem vou , rs não sou chegada em livros que tem esses suspenses, com muitas mortes e coisas kkk tenho medo. Mas adorei a sua resenha.

    Beijos

    Amantes da Leitura

    ResponderExcluir
  6. Ola´´a
    Sua resenha está ótima, que bom saber que o final da um baque apesar da escrita ser meio cansativa, eu leria o livro mas não por agora mas espero que goste do próximo livro

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. espero que você goste dos livros, Catharina :)

      Excluir
  7. Oiiiii, primeira resenha que leio sobre o livro e tiro como conclusão o seguinte: não acho que seja um livro que me agradaria. Assim, eu até que achei a história interessante e esse final que tu surpreendeu é legal também, no entanto, essa narrativa descritiva em demasia não me agrada. Prefiro deixar essa dica passar. kkk

    bju
    Vento Literário / No Facebook / No Twitter

    ResponderExcluir
  8. Pra começar, eu achei essa capa um espetáculo. O livro é exatamente do jeito que eu gosto, toda a trama me parece ser muito interessante, o fato de ser descritiva e muita coisa histórica também me cansa mas quando estou envolvida com o livro eu deixo passar, eu acho que vou gostar muito desse livro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. a capa é mesmo incrível, né?! É um pouco cansativa, sim, mas também é tensa e emocionante, então a gente até se esquece de cansar...haha'

      Excluir
  9. Ola Dryh lindona ainda não li nenhum livro da série e mesmo com a descrição bem detalhada, leio muitos elogios a grande protagonista do livro e sua inteligência. A capa do livro é linda, e pelo visto muitos mistérios serão resolvidos. Pretendo ler em uma fase mais calma, por se tratar de uma leitura que pede mais atenção. beijos

    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. espero que você goste dos livros, Joyce, e da Lisbeth também :)

      Excluir
  10. Oi Drih! Adorei o seu blog, é bem aconchegante. Ainda não li nenhum livro dessa série, mas pelo visto você foi pega pela narrativa. Já que na resenha você demonstra todo o seu sentimento em relação ao livro. Por meio de sua resenha fiquei interessada em conhecer a série. Pois essas narrativas que envolve suspense/mistério aguça minha curiosidade.
    Beijinhos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigada, Malu, fico feliz ♥♥ espero que você goste dos livros :)

      Excluir
  11. Oi linda!
    Não sei porque, mas perdi o time para ler esse livro.
    Vi o filme e gostei e amei a sua impressões, mas é mais forte do que eu! kkkkkkkk
    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. que pena...haha' mas quem sabe um dia, né?!

      Excluir
  12. Oie.
    Eu li algumas resenhas dos livros dessa série, mas não fiquei muito interessada e 611 páginas já me desanima kkkkkkkkk.
    Nunca assisti o filme, mas quem sabe ele não me convence né;
    A premissa é até interessante, nunca li nada que envolva mistério e suspense, mas enfim.
    Adorei a resenha

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkk' é um pouco intimidante mesmo, e o terceiro livro é ainda maior *-* o filme é muito bom ♥

      Excluir
  13. Oie Dry
    Ainda não conhecia esse livro e nem sabia da existência do filme.
    Pela sinopse seria um livro que leria sim e a sua resenha só me fez aguçar mais a curiosidade. Já anotei aqui. Obrigada pela dica!
    Bjo
    Citação num click

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. espero que você goste dos livros, Thaís :)

      Excluir
  14. Oie Dry A trilogia Millenium é uma das trilogias mais espetaculares que li, todos os personagens são muito cheios de personalidade, quando li o terceiro livro e vi que toda a história está interligada com a Salander me surpreendi e fiquei ainda fã do autor. O.quatro livro nem me animou a ler :(

    Beijos e até mais.

    Giuliana

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. o quarto não é tão bom quanto os outros :/ os personagens são mesmo incríveis ♥

      Excluir
  15. OI Dryh, essa trilogia está a tempo na minha lista para ler, mas sempre acabo protelando. Em compensação já assisti os três filmes e tenho uma ideia do que aconteça, inclusive sobre o fato de conhecer melhor o passado de Lisbeth, que por sinal, é uma protagonista espetacular.
    Bjim!
    Tammy

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lisbeth é, de longe, a melhor personagem ever ♥

      Excluir
  16. Olá! Tudo bem?
    Eu ainda não li o primeiro livro Os Homens que não Amavam as Mulheres, mas sempre fui muito curiosa com esses livros. E já quero ler o segundo, mesmo não lendo o primeiro kkkk' Sua resenha é incrível! Adorei.
    Beijão :*
    Delírios Literários da Snow

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkk' acho que dá para fazer isso Carolina, mas acho melhor você ler o primeiro...haha'

      Excluir
  17. Olha eu sinceramente nunca tive muito interesse de ler essa série.
    Nem sei do que se trata o primeiro livro pra vc ter uma ideia.
    Eu preciso dar uma olhadinha para ver se é um gênero que me atrai, porque tem
    livros assim sinistros e com violencia que não curto muito. Mas não sei se é o caso desse. Espero poder ler um dia não sei. Mas vou ver a primeira resenha para poder ter uma ideia. Quem sabe!

    http://lovereadmybooks.blogspot.com.br/2015/11/resenha-filha-da-floresta.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. espero que você possa lê-los um dia, Silvana, quem sabe não acaba gostando?

      Excluir
  18. Olá!
    Eu sou muito louca por essa série.
    Nunca tive a chance de ler e confesso que sempre me esqueço de colocar na lista de compras, mas toda vez que eu vejo eu piro novamente querendo ler!
    Beijos, Tabatha
    http://aproveiteolivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. haha' espero que você consiga lê-los, Tabatha ♥

      Excluir
  19. Olá.
    Tudo bom?
    Adorei a premissa do livro.
    Eu adoro narrativa descritiva, mas tira o tesão da.leitura quando o autor não sabe usa-lo
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. espero que você goste do livro, Michelle :)

      Excluir

Oiê! Muito obrigada por passar por aqui, deixe um recadinho com o link do seu blog e a gente dá uma passadinha lá mais tarde :)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...