Sissi - A imperatriz solitária

Sissi foi um livro que eu recebi em fevereiro da editora Gutenberg, e eu fui ler assim que ele chegou, mas não consegui passar da segunda página, então o deixei de lado por um tempo. Até que bateu aquela curiosidade de saber o que Allison Pataki havia escrito, e eu o peguei mais uma vez. Só posso dizer que é um livro encantador ♥

Título: Sissi – A imperatriz solitária
Autora: Allison Pataki
Editora: Gutenberg
Páginas: 416
Edição: 1
Lançamento: 2016
Sinopse: A “Rainha Encantada”, a mulher mais linda do mundo: a figura da Imperatriz Elisabeth da Áustria-Hungria, carinhosamente chamada de Sissi, sempre desperta fascínio e comoção por onde passa, mas sob tanto deslumbramento vive uma mulher muito mais complexa, que se sente sufocada pelo casamento turbulento e pelos rigorosos protocolos que ditam a vida na corte.
Casada com o Imperador Franz Joseph, amada e odiada por seu povo, Elisabeth é uma das mulheres mais poderosas e influentes do mundo na Viena de meados do século XIX, onde os luxuosos salões do Palácio de Hofburg fervilham não só com valsas imperiais, champanhe e assuntos de Estado, mas também com tentações, rixas e desavenças acirradas.
Espírito livre e sensível, Sissi só encontra paz quando vai para longe das intrigas palacianas e, assim, nasce uma chama que a consumirá por toda a vida: a paixão pelas viagens, que a leva para lugares remotos, onde pode cavalgar livremente e interagir com plebeus.
Mas a vida de um monarca não pertence a ele mesmo, e sempre que o dever se impõe à liberdade de escolha, Sissi é obrigada a voltar à reclusão de seu círculo social, rodeada de fofocas, inveja e tristeza. Grande parte da excelente imagem mundial da Áustria-Hungria depende do carisma de Sissi, e ela precisa fazer a sua parte para salvar o Império. Mas, no final, ela poderá salvar-se?
 Resenha

Onde eu não estou, aí reside a felicidade. - Heinrich Heine, poeta favorito de Sissi.

Elisabeth era muito jovem quando se casou com Franz Joseph, o Imperador da Áustria-Hungria (império sucessor do Austríaco; caiu após a Primeira Guerra Mundial). Apaixonada pelo Imperador, ela não imaginou que sua vida se tornaria o inferno que se tornou, nem mesmo que seriam anos e anos solitários, tendo que seguir regras e protocolos que beiravam o ridículo, nem mesmo que teria que acompanhar o marido em assuntos do Estado. Mas isso aconteceu.

Seus três primeiros filhos lhe foram tirados pela Arquiduquesa Sophie, mãe de Franz, assim que nasceram, e Elisabeth (Sissi) mal podia vê-los. A desculpa era que ela era jovem demais, portanto, não tinha capacidade de criar o herdeiro de um dos impérios mais poderosos da época. E ela quase não passava tempo com o marido, o que a deixava ainda mais triste e solitária. Até que, após ter quatro filhos, ela fez um acordo com Franz, e a quarta filha, Valerie, seria criada pela própria Sissi. Sendo assim, ela pegou a filha e se mudou para Gödöllõ, na Hungria, enquanto o palácio imperial ficava em Viena, na Áustria.

Até certo momento, é quase impossível não sentir empatia por Sissi, vendo como ela era tratada pelos cortesãos do palácio e pela própria Arquiduquesa. E Franz não fazia muito para defendê-la, então ela estava praticamente sozinha, vivendo longe de sua família, e tomada por uma angustia que só aumentava. Mas, a partir do momento em que consegue passe livre para encontrar a felicidade em outro lugar, Sissi só tem olhos para Valerie e só pensa em cavalgadas, pouco se importando com o resto, inclusive seus outros filhos, Gisela e Rudolph, criados pela Arquiduquesa (a filha mais velha havia morrido ainda pequena). Até receber uma carta de Gisela, que pedia ajuda para a mãe, vendo que Rudolph estava sofrendo, e aí Sissi volta para Viena. Mas não demora muito para que parta.

Como era possível que alguém compreendesse que seu tempo livre era sagrado? Que ela tinha lutado muito para conseguir aqueles momentos fugazes nos quais se via longe do peso esmagador de seu império? – página 227

O livro é ficção, mas muitas das coisas narradas aqui realmente aconteceram. Na verdade, a maior parte delas, pelo o que a autora disse no final da obra. Gostei muito de conhecer Sissi e o restante de sua família, gostei inclusive de aprender um pouco sobre os conflitos e as alianças que ocorreram na época, inclusive a Liga dos Três Imperadores, que contava com Franz, o Imperador da Rússia e a Alemanha, em 1872. Conheci vários reis e imperadores aqui, mas o que mais me chamou a atenção foram os romances de Sissi com dois cavalheiros diferentes, em épocas distintas. Mas em ambas as situações ela acabou sozinha, presa num casamento que duraria até o fim de seus dias, e sofrendo a falta de seus amantes.

Também achei interessante que, ao mesmo tempo em que era odiada pelo povo de seu marido, seja por estar sempre ausente ou por ter rixas com a Arquiduquesa, amada por todos; Sissi era adorada por muitos; ingleses, irlandeses (para total desgosto da Rainha Vitória), húngaros, e por aí vai a lista. Seja por sua beleza incomparável (considerada a mulher mais linda do mundo) ou por sua calorosidade e por ser tão boa em montaria. E por falar em montaria, era praticamente tudo o que Sissi sabia fazer. Isso e caminhadas, somadas a ler poesia. E paparicar Valerie, ignorando totalmente (mesmo que não por querer) seus outros filhos. Entendo que não era culpa de Sissi, pois a Arquiduquesa tinha mais poder do que ela, mas ela ainda tinha chances de lutar pelos filhos, de pelo menos fingir que se importava com eles. Mas ela só queria saber de sua amada Valerie, e de seus cavalos. E suas viagens.

Ao mesmo tempo em que gostei de Sissi, eu me irritava muito com ela. Ela não necessariamente escolheu a vida que teve, mas ela era uma pessoa privilegiada, tinha poder, o mundo estava sob seus pés, todos se encantavam por sua beleza. Não poderia ter feito algo de bom com tudo isso? Ela fugia sempre que podia (sempre mesmo), abandonando Franz e seus filhos e o palácio de Viena, indo para a Inglaterra, Irlanda, Hungria e Suíça, e sempre levando Valerie consigo. Não me surpreende que as coisas não tenham dado certo para os Habsburgo no final...

Como os Habsburgo ainda não tinham entendido que, enquanto seus herdeiros fossem forçados a se casar apenas em nome dos interesses de Estado, ninguém na casa imperial seria feliz? – página 275

Gostei da narrativa, apesar de ter achado algumas partes um tanto cansativas. Mas foi um livro e tanto, alguns personagens foram marcantes, outros nem tanto. Alguns odiáveis, outros apenas incompreendidos. Sissi sofreu muito durante sua vida, e fiquei com pena dela quando recebia um golpe após o outro, perdia um ente querido após o outro, ou sofria uma crítica após a outra.
O desfecho da obra é um tanto triste, mas não poderia ser de outra forma, já que foi Franz Joseph quem declarou guerra à Sérvia após o assassinato de seu sobrinho e sucessor do trono, em Sarajevo, iniciando a Primeira Guerra Mundial, em 1914.
Confesso que, antes de ler este livro, nem mesmo sabia que Sissi havia existido, mas agora que sei, estou curiosa para conferir os filmes e os outros livros existentes a seu respeito, e espero que sejam tão bons e envolventes quanto este livro foi.

11 comentários

  1. A minha mãe sempre fala de um filme baseado nesta história e eu nunca me interessei. Lendo a sua resenha, a curiosidade para ler o livro bateu forte, por causa dos fatos reais mesclados na ficção e agora quero ler o livro pra ontem.
    Valeu pela dica.
    Meu Amor Pelos Livros
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Interessante você não se empolgar pelo livro logo de cara e depois sentir curiosidade e acabar destrinchando a história! Que bom que, apesar de conter trechos cansativos a narrativa foi marcante. Acabei ficando com vontade de conhecer a obra e saber mais sobre a protagonista, Sissi.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Olá amore,
    Essa editora sempre me surpreende e dessa vez não foi diferente por que até então eu não conhecia o livro e já gostei da obra como um todo, até anotei a dica por aqui.
    Mesmo você mencionando que tem horas que fica cansativa a narrativa, vou dar uma chance pra leitura futuramente.
    Beijokas!

    ResponderExcluir
  4. Oiee
    Sempre ouvi falar bem do filme (minha sogra é apaixonada por essa história), mas não sabia que tinha o livro.
    Eu amei a capa e com certeza é um livro que gostaria de ler. Que bom que você resolveu dar uma nova chance e que valeu a pena.
    Eu também vou atrás dessa leitura...rsrsrs
    Dica anotada
    Bjo

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Já ouvi falar do título mas nunca parei para saber mais sobre a história, sinto que a Sissi é uma personagem que da pra se nutrir amor e ódio ao mesmo tempo, acho que eu iria sentir muita raiva dela em alguns momentos que você citou. Gostei de além do romance ter um contexto histórico muito abrangente por trás da história. Dica mais que anotada!
    Beijos,Lari.
    Segredosdeumacerejeira.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Olá Dryh,
    Essa coisa de começar um livro e não conseguir dar andamento é ruim, não é? Confesso que não fiquei muito curiosa para ler esse livro, pois não simpatizei muito com a Sissi, acho rs.
    É bacana ser um livro ficcional, mas com coisas reais ao longo da trama. Vou deixar essa dica passar, pelo menos, por enquanto.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Olá,

    Eu não conhecia a obra e nem a autora. Fico feliz em saber que você deu uma segunda oportunidade para o livro, pois isso acontece frequentemente comigo, eu não sou atraído pelas primeiras páginas, mas é só fazer uma forcinha que a história começa fluir em minha mente. Adorei a sua resenha, mas o gênero do livro não é muito do meu gosto, mas adorei a dica! ♥

    → desencaixados.com

    ResponderExcluir
  8. Olá, tudo bom?
    Já tinha visto essa capa na época do lançamento mas não sabia ao certo do que se tratava já que também não conhecia Sissi. Curti saber que é um histórico mesclado com ficção e que vários conhecimentos são agregados através dessa obra. Apesar de na segunda parte da obra a personagem gerar mais raiva que empatia, fiquei bem curiosa para conferi-la e saber mais de vários pontos aí, inclusive da Liga dos três Imperadores. Adorei sua resenha e anotei a sugestão.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Oi Dryh, como esta?
    Primeiramente, excelente resenha! Segundo, ADOREI a proposta do livro porque acho Sissi uma figura fascinante!
    Falando de um quote que tu mencionou perto do fim do texto, fiquei me perguntando: quem era beneficiado de fato pelos interesses de Estado? Porque quando a gente para e pensa, vemos que as coisas não eram nada simples.
    Abracos e beijos da Lady Trotsky...
    http://rillismo.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Oie
    Não conhecia o livro ainda mas bem legal, adorei essa capa e não costumo ler livros do gênero mas bem legal a dica por ter um conteúdo tão interessante

    beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Olá!
    Não conhecia o livro e nem essa história, mas achei super interessante poder misturar ficção com fatos históricos.
    GOstei de conhecer a personagem e as dificuldades que ela viveu, mas também não entendi como ela pode ter desistido dos primeiros filhos dessa forma.
    Obrigada pela dica!
    Um beijo

    www.asmeninasqueleemlivros.com

    ResponderExcluir

Oiê! Muito obrigada por passar por aqui, deixe um recadinho com o link do seu blog e a gente dá uma passadinha lá mais tarde :)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...