A maldição do vencedor

Oiee pessoas, tudo bem com vocês?

Quem aí gosta de distopias levanta a mãão \0/ preparados para conhecer essa trilogia belezinha? Os dois primeiros livros foram lançados juntos na bienal do ano passado ♥

Título: A maldição do vencedor
Autora: Marie Rutkoski
Editora: Plataforma 21 (V&R)
Páginas: 328
Edição: 1
Lançamento: 2016
Série: Trilogia do vencedor #1
Sinopse: Kestrel quer ser dona do próprio destino. Alistar-se no Exército ou casar-se não fazem parte dos seus planos. Contrariando as vontades do pai - o poderoso general de Valória, reconhecido por liderar batalhas e conquistar outros povos -, a jovem insiste em sua rebeldia. Ironicamente, na busca pela própria liberdade, Kestrel acaba comprando um escravo em um leilão. O valor da compra chega a ser escandaloso, e mal sabe ela que esse ato impensado lhe custará muito mais do que moedas valorianas. O mistério em torno do escravo é hipnotizante. Os olhos de Arin escondem segredos profundos que, aos poucos, começam a emergir, mas há sempre algo que impede Kestrel de tocá-los. Dois povos inimigos, a guerra iminente e uma atração proibida... As origens que separam Kestrel de Arin são as mesmas que os obrigarão a lutarem juntos, mas por razões opostas.
Resenha

A felicidade depende de ser livre, e a liberdade depende de ter coragem. – página 177

Há dez anos, uma guerra transformou todos os cidadãos de Herran escravos dos valorianos, vencedores que utilizaram uma forma um tanto desonesta para ganhar. Mas, como diria o pai de Kestrel, a protagonista do livro, não importa a forma que se vence, mas sim, vencer. 
Sendo filha do general do Império, espera-se que Kestrel possua habilidades militares e que se aliste ao Exército, mas acontece que ela é horrível na arte militar, ficando mais para o lado das estratégias. Ainda assim, Kestrel não deseja se alistar, e muito menos se casar, o que é obrigatório quando se chega aos 20 anos. Ou você se casa, ou se alista.

Ela é uma personagem um tanto rebelde, por assim dizer. Não segue as regras impostas pela sociedade, e, num dia, enquanto jogava e andava pela cidade com sua amiga, Jess, ela acabou indo parar em um leilão de escravos. Sem conseguir sair de lá por conta da quantidade de valorianos ao redor, Kestrel acabou acompanhando o que acontecia, e, para a própria surpresa, comprou um escravo.

Smtih, cujo nome verdadeiro é Arin, não foi bem recebido na mansão da nova dona, como já era se esperar, já que ele era um herrani, considerado inferior, o que não faz muito sentido, já que, antes da colonização de Kestrel, eram os valorianos que comiam com as mãos e não eram tão “civilizados”. Arin era bom em fazer ferramentas, então foi de grande utilidade, já que o pai de Kestrel tinha a própria guarda e muitos cavalos. Sendo assim, ele passa os dias fazendo ferraduras e algumas armas (essas, escondidas), ao mesmo tempo em que passa a conhecer Kestrel, e uma rebelião se aproxima.

Ele conhecia a lei das coisas: pessoas em lugares muito iluminados não são capazes de ver nas trevas. – página 53

Eu não sabia o que esperar deste livro, minha irmã o comprou em promoção durante a bienal (os dois primeiros volumes saíram pela metade do preço juntos), e eu decidi lê-lo por curiosidade. Demorei muito para gostar da Kestrel, isso por causa da forma como ela tratava os herranis e se achava absurdamente superior. Eu sei que ela cresceu nesse novo mundo, mas, ainda assim, eu esperava pelo menos um pouco de humildade na personagem, principalmente por querer sua liberdade, independência e etc.

Mas eu adorei Arin, principalmente por ele suportar tanta coisa durante os dez anos em que foi feito escravo. Os herranis haviam perdido tudo quando a colonização aconteceu, e todos, sem exceção, feitos de escravos (a autora inclusive comentou que a inspiração para tal acontecimento foi a invasão romana à Grécia, na Antiguidade), então uma rebelião ou revolta não era algo impossível de se acontecer, mesmo que os valorianos tivessem o maior exército do mundo. Uma hora, haveria uma brecha.

O livro possui cenas bem tensas, especialmente mais para o final, quando as coisas realmente começam a acontecer e o leitor não sabe o que esperar. Eu não torcia para que Arin e Kestrel ficassem juntos. Novamente, por ela se achar tão superior a ele, mas também porque eu torcia para que os herranianos conseguissem sua liberdade, e isso não aconteceria com Arin amando Kestrel, pois uma hora ele estragaria tudo por escolhê-la ao invés de seu povo. Mas eu também não queria que os herranianos escravizassem os valorianos, então a coisa ficou difícil...haha’

Por que ele não vinha até ela? Ela poderia obriga-lo. Se ela mandasse uma ordem, ele obedeceria. Mas ela não queria a obediência dele. Queria que ele quisesse vê-la. – página 162

De qualquer forma, eu fui surpreendida com o desfecho, então parei de ficar torcendo ora para um, ora para o outro, e decidi aceitar o que a autora traria, mas ainda querendo que Arin ficasse vivo. Estou bastante curiosa para ler o segundo volume, e, como o terceiro já foi lançado no exterior, imagino que logo a editora o trará para nós. Pelo menos eu espero que sim...haha’
Gostei bastante da sociedade e do mundo criado pela autora, principalmente por ter sido tão bem construído e parecer muito real. Gostei também da narrativa da Marie, que é rápida e flui muito bem, apesar de eu ter encontrado exatos dois errinhos (mas quem está contando, né?) durante a leitura.

A capa do livro é linda (apesar de eu ficar tentando descobrir por que Kestrel está sofrendo), e a editora fez um ótimo trabalho com a diagramação (apesar dos dois errinhos), as páginas são amareladas, com a imagem de um mapa contendo Valória, Herran e os arredores, e algumas páginas em preto no começo e no final do livro. Espero que o segundo livro seja ainda mais surpreendente, e, quem sabe, apaixonante. Nunca se sabe quando vai começar a gostar e a torcer por um personagem, né? Mas eu não posso negar que Kestrel é muito corajosa, determinada e ambiciosa, o que são coisas admiráveis.

11 comentários

  1. O segundo livro foi lançado cá em Portugal no final do ano passado e eu preciso ler, embora não tenha ficado assim tão empolgada com A Maldição do Vencedor porque tinha altas expectativas.
    Beijinhos
    ww.fofocas-literarias.blogspot.pt

    ResponderExcluir
  2. Não conhecia o livro, mas fiquei bem curiosa lendo sua resenha, parece uma leitura bem instigante.
    Coloquei na meta de leituras pra este ano, espero ter a oportunidade de ler.
    E a capa, realmente é linda.

    www.detudopouco.com.br

    ResponderExcluir
  3. Gosto de livros que surpreendem no final. Essa premissa me interessou bastante e a capa ficou ótima mesmo! Não conhecia o livro ainda. Obrigada pela dica. <3

    Beijos!
    Tem sorteio rolando, vem ver!
    Sorteio de livro Postando Trechos

    ResponderExcluir
  4. Eu li opiniões diversas dessa obra, uns gostaram muito, outros acharam ruim... E isso só me deixa mais empolgada para conferir e ver o que eu acho, rsrs. Acho a trama surpreendente, e aparentemente faz bem o meu estilo de leitura, então acredito que vou curtir. Sua resenha me empolgou mais ainda!
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  5. Nossa, me interessei demais pra saber o que há por trás de toda essa trama.Acho que histórias de época são as melhores né?E ainda com distopia ahahaha ai ai . apenas desejando.

    beeijão :)
    http://www.carolhermanas.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Olá!

    Já vi esse livro, mas é a primeira resenha que leio, então estou surpresa em ver que não é um romance de época hahaha podia jurar que era, por causa do vestido. Adoro distopias, mas essa me lembra a da Victoria Aveyard, que não gostei muito, então não sei se a lerei.

    ResponderExcluir
  7. Oiii!!

    Eu conhecia o livro pela capa, mas não sabia muito do enredo...
    Gostei! Não sou muito fã de distopias, mas gostei da sua resenha! Parece ser uma boa obra!

    Beijinhos

    ResponderExcluir
  8. Nossa, lendo a sinopse não imaginei ser distopia. Achei a capa muito bonita, muito mesmo e sua resenha ficou ótima, mas a história do livro não chamou muito a minha atenção. Ultimamente não tenho lido muitas distopias, tive experiências bem ruins, então esse eu passo por enquanto xD

    ResponderExcluir
  9. Olá,
    A premissa do livro é bem interessante e desconhecia-o.
    Estou intrigada para conhecer um pouco mais de Kestrel, mesmo com essa personalidade um pouco irritante e seu ar superior! Quero saber também mais sobre Arin e seus segredos, além de ver a aproximação de ambos.

    http://leitoradescontrolada.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    Eu comecei a ler esse livro, mas optei por lê-lo em outro momento, pois eu estava procurando por leituras mais leves, mas pretendo ler ainda esse ano. Gostei muito da premissa, e é bom saber que você se surpreendeu com a leitura, além de gostar da sociedade criada pela autora.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  11. Adoro distopias e quero muito ler esse livro! Achei que o primeiro tinha sido lançado antes porque tinha uma promoção na Bienal de comprar os dois primeiros volumes pelo preço de um, mas como eu já tinha esse não aproveitei. Que bom que foi surpreendida com o desfecho. Acredita que nunca folheei o livro e não sabia que tinha mapa? Adorei a notícia! *-* E dois erros é bem pouco, nem considero... Rs...

    ResponderExcluir

Oiê! Muito obrigada por passar por aqui, deixe um recadinho com o link do seu blog e a gente dá uma passadinha lá mais tarde :)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...